17 abril 2017

Crítica | Um emocionante relato sobre o nazismo em "Eu sobrevivi ao holocausto"



Sei que é extremamente triste comentar sobre assunto, mas acredito que somente dessa forma podemos alertar o máximo de pessoas sobre as coisas terríveis que aconteceram durante a Segunda Guerra Mundial. Bom, estou falando sobre o nazismo e todo o estrago que ele fez na comunidade judia e com os europeus em geral. No livro que venho indicar hoje o assunto é abordado, sem demagogia, por uma sobrevivente do holocausto e que, por coincidência, foi uma das amigas da famosa Anne Frank.

Eu sobrevivi ao holocausto é um livro de memórias escrito pela Nanette Blitz Konig, uma holandesa que veio para o Brasil após perder toda sua família para o sistema autoritário arquitetado pelo Hitler. Contando com 190 páginas, a edição publicada e me enviada pela editora Universo dos Livros contém várias imagens e documentos que ilustram as palavras da autora.


Eu sobrevivi ao holocausto
escrito por Nanette Blitz Konig

Editora: Universo dos Livros
Páginas: 190
Ano: 2015

Em um emocionante relato, Nanette Blitz Konig conta a história de um período em que ela e milhões de judeus foram entregues à própria sorte com a mínima chance de sobrevivência. Colega de classe de Anne Frank no colégio, Nanette teve a juventude roubada e perdeu a crença na inocência humana quando esteve diante da morte diversas vezes – situações em que fora colocada em virtude da brutalidade incompreensível dos nazistas.

O que mais me chamou atenção é como Nanette consegue expor com muitos detalhes grande parte dos acontecimentos de sua vida. Desde quando eles eram apenas uma família judia feliz, até quando tudo começou a se desestruturar e tiveram que se mudar para um centro de concentração. Mesmo contando uma história bem detalhada, o livro não fica cansativo e pode ser facilmente lido com um ou dois dias, já que contem uma narrativa fluída.

A autora não se limita apenas em contar sobre sua vida, ela explica tudo que estava acontecendo durante a Segunda Guerra Mundial, o autoritarismo de Hitler, e ainda cita vários outras pessoas que foram responsáveis por dizimar milhares de judeus durante esse período. É uma verdadeira aula de história ministrada por quem mais entende do assunto: a pessoa que realmente viveu todo esse horror.  Além disso, ela ainda aborda como tudo acabou, como não houve nenhum reparo por todos os danos e como ela superou (ou vem superando) todo esse trauma.

Em suma, é um livro necessário a todas as pessoas. É importante que saibamos o que ocorreu durante a guerra para que a vida dessas pessoas não tenha sido tirada em vão, que sirva de aviso para essa nova geração o quão terrível pode ser um regime nazi-fascista. Apesar de muito triste, o livro consegue passar a história de uma das sobreviventes de forma bem humana.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Instagram: @Estupefaca