[Destaques][carousel][6]

08 maio 2017

Crítica | "Dear White People": os opostos racismo e militância em uma série importante

segunda-feira, maio 08, 2017

Antes mesmo de estrear na Netflix, Dear White People já estava causando polêmica na internet. Isso tudo por causa de um teaser de 30 segundos em que..... nada demais acontece! Sério, eu realmente não entendi o motivo de todo esse alarde e boicote ao seriado, mas vamos lá para minha opinião.

Dear White People, ou Cara Gente Branca em português, é um seriado derivado de um filme de mesmo nome que foi lançado em 2014. O mesmo diretor do longa resolveu escrever e dirigir, em novo formato, a comédia-dramática com tons de militância. Basicamente o enredo gira em torno do que aconteceu antes e depois de uma festa de Halloween em que pessoas brancas se fantasiaram de negros. Depois disso, a universidade começou a ter uma onda de protesto contra a utilização de blackface.

Com ironia e sarcasmo, Dear White People expõe atitudes racistas em todo o campus da universidade. Além disso, denuncia o comportamento indevido da polícia norte-americana que é conhecida por assassinar negros apenas por serem negros. Infelizmente não é uma coisa que acontece apenas no Estados Unidos, no Brasil é mais comum do que parece.


Apesar dos argumentos muito bem fundamentados que embasa todo o movimento negro da universidade, os estudantes ainda utilizam de muitos elementos da cultura pop o que deixa a série ainda mais interessante. Game of Thrones, Tarantino, Beyoncé, Kanye West, Frank Ocean, DeRay Mckesson, Malcom X, são exemplo de nomes conhecidos e que são citados constantemente durante a série (seja falando bem ou falando mal).

Se engana quem pensa que "Cara Gente Branca" é ácida apenas com os brancos que são privilegiados. Com uma dose de humor, o seriado instiga também militantes negros. Aqueles que sempre optam por atitudes extremistas ao invés do diálogo ou ainda aqueles que só sabem fazer textão no Facebook.



Um dos episódios mais pesados, o quinto, foi dirigido por Barry Jekins que é o diretor de Moonlight, longa que ganhou o Oscar de Melhor Filme esse ano e que retrata a vida de um protagonista negro que vive no gueto. Talvez a série tenha chamado tanta a atenção por retratar a realidade. Por retratar como os negros foram e são tratados na sociedade ainda hoje. Como a polícia é, em muitos casos, racista. Como movimentos tipo "Black Lives Matter" se fazem mais importantes a cada dia que passa. Uma série que, com um tom de humor, passa uma mensagem que, infelizmente, não foi interpretada corretamente por algumas pessoas que tentaram boicotar o show.

Encerro essa crítica de uma forma diferente, não dando uma nota e sim mostrando para todos aqueles que pensaram em boicotar a série, o quão importante é ter um programa como esse. É empoderador! Retirei algumas mensagens numa rede social, e isso vale mais que qualquer nota que eu poderia dar para essa série.


06 maio 2017

Crítica | Sense8: A segunda temporada é um tiro certeiro da Netflix

sábado, maio 06, 2017

Ousadia e pretensão marcaram a segunda temporada de Sense8

Fazer a segunda temporada de uma série nunca é fácil, principalmente quando levamos em conta a expectativa dos fãs. A Netflix sempre foi conhecida pela sua ousadia em suas produções, seja mostrando problemas que acontecem em nossa sociedade, ou até mesmo dando tapa na cara com a forma que passa isso aos seus expectadores. Imagina tudo isso em apenas uma série. Assim foi feito na segunda temporada de Sense8.

A primeira temporada focou muito no desenvolvimento dos personagens. Fomos apresentados as suas vidas e a descoberta do que eles eram, o que deixou os primeiros episódios muito intrigantes, mas isso foi superado na season finale da primeira temporada. Nesta segunda, o desenvolvimento dos personagens faz você ficar conectado com eles, como em toda série tivemos o grande vilão, mas ele não foi o foco principal, já que o crescimento dos atores em seus personagens foi evidente. 

Sense8 agora ressalta a ficção e a ciência lado a lado, explorando a origem do sensates (cientificamente chamados de "homo sensorial"). Ao decorrer dos episódios somos apresentados a história de Angelica (Daryl Hannah) e Jonas (Naveen Andrews), descobrimos o primeiro grupo de filhos do casal, e sua ligação com a terrível companhia Biologic Preservation Organization (BPO). 

As conversas entre Sussurros (Terrence Mann) e Will (Brian Smith), que foi "conectado" ao vilão na season finale anterior, nos apresenta ótimos diálogos e uma tensão entre mocinhos e vilão que acaba levando a uma guerra entre os sensates e a BPO. Mann soube desenvolver muito bem seu personagem, tendo um cargo muito mais seguro dentro da companhia, o vilão soube "aterrorizar" a cada segundo. 


Vemos Lito (Miguel Ángel) enfrentar as consequências por ter se revelado gay, e nos mostra uma sociedade em que ainda existe grande preconceito quando falamos sobre a comunidade LGBT. Sun (Bae Doona) tendo que escolher se deixa ou não seu irmão viver. Kala (Tina Desai) não tem um grande destaque pessoal nesta temporada, vemos que a família de seu marido não é bem-vinda em seu país e que isso gerou inimizades por parte de seu povo, mas isso gerou um espaço em branco, que esperamos que possa ser mostrado na próxima temporada.

Ação e cenas de sexo hardcore são atributos que marcaram a primeira temporada, porém nesta temporada tivemos poucos momentos assim, mas os momentos não deixaram a desejar. Vemos Capheus (Toby Onwumere) entrar na política para lutar por melhores condições para o seu povo e ainda desenvolver um relacionamento com uma jornalista. Wolfgang (Max Riemelt) despertar o interesse amoroso em uma outra sensate, ambos participam de um grande tiroteio, uma cena que é digna de palmas.

No início temos uma visão de Riley (Tuppence Middleton) apenas como cuidadora de Will, mas ao decorrer dos episódios vemos a personagem se arriscar indo até Chicago aonde encontrou outro sensate que lhe mostrou o caminho para obter mais respostas. Nomi (Jamie Clayton) teve um grande destaque nesta temporada, vemos a hacker se aliar aos anonymous, e se arriscar cada vez mais para proteger seus amigos. Um dos grandes méritos dos roteiristas foi dar espaço aos coadjuvantes, Daniela (Eréndira Ibarra) e Amanita (Freema Agyeman) brilharam em seus papéis, Amanita, principalmente, foi fundamental na ligação de Nomi com os outros. Bug (Michael Sommers), o hacker amigo de Nomi, teve uma boa participação no decorrer da trama.


Medo, humor, drama e raiva, são elementos que deram vida ao sucesso desta temporada. A junção destes sentimentos, nos traz a sensação de tristeza e alegria de cada episódio, conseguimos sentir realmente o que se passa naquele lugar. Sense8 este ano trouxe grandes marcos. Muitos capítulos emocionarem por trazerem grandes lições, geralmente ligados a aceitação e respeito. 

A sincronização entre os oito personagens continua perfeita, a Netflix parece não ter tido problema algum neste quesito. A trilha sonora continua impecável, principalmente quando a música What's Up (4 Non Blondes) entra em ação. 


Sense8 mostrou que a segunda temporada pode surpreender bem mais que a primeira. Se já não bastava esperar quase dois anos para a estreia da segunda temporada, imagina a agonia que iremos ficar pelo anúncio oficial da terceira temporada. Tivemos muitas respostas nesta temporada, mas isso nos dá uma certeza: algo muito maior está por vir no decorrer desta série. Como diria o Policial de Chicago Will: "Você ama seu mundo, não é? Pois eu vou foder o seu mundo!". Que a curiosidade não nos mate antes de vermos a terceira temporada.


03 maio 2017

Lista | Os melhores filmes que estrearão em MAIO nos cinemas brasileiros

quarta-feira, maio 03, 2017

Fizemos uma seleção com os melhores filmes que estrearão aqui no Brasil neste mês. O mais legal é que tem filme para todos os gostos: animações, comédias, terror e até drama. Dá uma olhada e comente qual é o que você mais quer assistir.


| 04 de maio

Na primeira semana já vemos uma seleção de filmes bem eclético. Temos Rock Dog, uma animação infantil (mas tenho certeza que muito de vocês adoram) hahaha. Tem também a comédia nacional com Ninguém Entra, Ninguém Sai e ainda o drama do mesmo diretor de "A procura da felicidade", Sobre viagens e amores. Esse último tem um enredo bem interessante e válido para os dias de hoje: um casal homossexual hospeda uma homofóbica em suas casas. Já deu aquela curiosidade para saber se vai rolar treta, né? Ah, tem também o terror A autópsia que se passa num IML ou algo do tipo.


11 de maio
Tenho certeza que o maior destaque dessa semana vai ser Alien: Covenant do Ridley Scott. Já tem muitas fãs com as expectativas lá em cima para conferir o novo trabalho do diretor. A Promessa, O Dia do Atentado e O Cidadão Ilustre também aparentam ser ótimos filmes, com temáticas diversificadas porém igualmente chamativas.


18 de maio
Para mim, sem dúvida alguma, o filme do mês é Corra!. O terror que envolve racismo está fazendo muito sucesso no exterior e, dessa forma, é quase um sucesso absoluto em críticas. Além desse filme, temos um terror brasileiro chamado O Rastro (curioso já que o Brasil não é um grande produtor desse tipo de filme). O Rei Arthur, um filme romantizando a História e com o Charlie Hunnam de protagonista, e Collide são outros lançamentos da semana.




25 de maio

Eu diria que essa é a semana mais curiosa do mês. Quero ver como será a recepção do novo Piratas do Caribe, com Johnny Depp e a meia brasileira Kaya Scodelario no elenco. Tem ainda Comeback que é um filme de faroeste no BR, The Bleeder que não sei muito sobre e o Real que vai contar um período histórico no Brasil, quando houve a criação da nossa moeda atual.


01 maio 2017

Crítica | "Guardiões da Galáxia Vol . 2" é, de fato, um filmão do k7

segunda-feira, maio 01, 2017


Guardiões da Galáxia (2014) foi um grande risco para a Marvel, que não sabia ao certo se o filme baseado nos quadrinhos e de mesmo título vingaria. Afinal, o universo explorado nesta história é completamente diferente do que estamos acostumados a conferir em demais obras cinematográficas com heróis. Porém, o filme caiu rapidamente no gosto da crítica e do público. E, acredito que tal sucesso tenha sido decorrente da quebra de estereótipos em relação ao que é ser um herói, ou o modo como os mesmos devem se comportar entre si e até mesmo com os espectadores.

Assim como o primeiro filme da franquia, Guardiões da Galáxia Vol. 2, teve direção de James Gunn. Acredito que ambos os filmes foram um desafio para o diretor e roteirista. Já que o primeiro foi rodeado de dúvidas em relação a ser ou não bem aceito pelo público, e o segundo segue o dilema de suprir todas as expectativas dos fãs, ao se depararem novamente com os personagens que criaram tamanha empatia.

Logo nas primeiras cenas, fica evidente que o filme mantém sua essência, que é mesclar o humor e a ação. Vale salientar que esses dois gêneros são muito bem empregados e de modo extremamente exagerado (positivamente falando). A versão Baby Groot está extremamente fofinha e é impossível não suspirar com a inocência presente em suas ações impensadas, mas ao mesmo tempo nos deparamos com os demais guardiões focados no combate.



Guardiões da Galáxia - Vol. 2
Data de lançamento 27 de abril de 2017 (2h 16min)

Direção: James Gunn
Elenco: Chris Pratt, Zoe Saldana, Dave Bautista...
Gêneros: Ação, Ficção científica, Comédia

Sinopse:
Agora já conhecidos como os Guardiões da Galáxia, os guerreiros viajam ao longo do cosmos e lutam para manter sua nova família unida. Enquanto isso tentam desvendar os mistérios da verdadeira paternidade de Peter Quill (Chris Pratt).
O grupo composto por Peter Quill (Chris Pratt), Gamora (Zoe Saldana), Drax (Dave Bautista), Rocket (Bradley Cooper) e Baby Groot (Vin Diesel), se encontram prestando serviços para o planeta. Tudo parece bem, exceto por um detalhe: Rocket (Bradley Cooper) acaba furtando sem pensar algumas baterias de um planeta em especial. Seus atos acabam resultando numa fuga bastante turbulenta, que tem fim quando os guardiões encontram o pai do Quill (Kurt Russel).

A relação entre Peter e seu pai é oscilante. Afinal, por mais que o homem pareça feliz por ter encontrado seu filho, Peter não consegue entender o motivo do mesmo ter demorado tanto para achá-lo. Visando encontrar respostas para suas dúvidas Peter, Gamora e Drax resolvem ir ao planeta de Ego, enquanto os demais guardiões ficam reconstruindo o que sobrou da nave.

Apesar da história de Ego ter bastante relevância no rumo que a trama toma, fica evidente que os demais guardiões também têm seu devido espaço como protagonistas. A relação de Gamora e sua irmã ganha mais detalhes e intensidade, assim como as dos demais. Há também uma maior participação dos personagens Youndu (Michael Rooker) e Nebulosa (Karen Gillan). Além da apresentação de Mantis (Pom Klementieff), que é uma personagem que surge e rapidamente ganha o público. Enfim, falar mais sobre a história do filme seria compartilhar spoliers, o que não quero fazer...



Guardiões da Galáxia Vol. 2 é uma obra certeira, quando o assunto é gargalhar, mas também para chorar e refletir. Nesse longa fica claro todas as dores, medos e motivações dos personagens. A história traz a tona não só o valor da amizade, mas sim, a construção diária do que consideramos família.

O filme está recheado também de surpresas e participações especiais INCRÍVEIS ( que eu prefiro não mencionar, para não estragar a surpresa de vocês, caros leitores). A trilha sonora é outro elemento que merece ser citado, pois assim como no primeiro filme, é bastante rica e se encaixa perfeitamente com as cenas. Os cenários e figurinos continuam extravagantes e coloridos, como se tivessem saído literalmente dos quadrinhos. O único ponto negativo a meu ver, foi o uso do 3D, afinal, não vi nada do qual merecesse ser visualizado com essa tecnologia, ou ao menos não me pareceu bem empregado.

Ao todo, Guardiões da Galáxia Volume.2, foi um filme maravilhoso! Superou o primeiro, não por ser melhor, mas sim por trazer uma extensão, da qual não consigo imaginar de outra forma. Conseguiu me surpreender em inúmeros momentos, além de rir e chorar em momentos diversos. Sim, eu estou muito ansioso pelo terceiro filme!


22 abril 2017

Jack Nicholson completa hoje 80 primaveras. Relembre os principais filmes dessa lenda!

sábado, abril 22, 2017

Oiii gente, como estão? Espero que bem. Hoje, 22 de abril, o incrível ator, cineasta, produtor e roteirista Jack Nicholson faz 80 anos. Nicholson é considerado por muitos um dos maiores atores da história, opinião também compartilhada por mim. Foi indicada ao Óscar 12 vezes, o que, claro, não é pra qualquer um. Por essa razão. trouxe alguns dos principais filmes de sua carreira. Espero que vocês gostem. Let's Go!




| Um Estranho no Ninho (1975)


Sinopse: Randle Patrick McMurphy (Jack Nicholson), um prisioneiro, simula estar insano para não trabalhar e vai para uma instituição para doentes mentais. Lá estimula os internos a se revoltarem contra as rígidas normas impostas pela enfermeira-chefe Ratched (Louise Fletcher), mas não tem ideia do preço que irá pagar por desafiar uma clínica "especializada".



Laços de Ternura (1983)


Sinopse: A viúva Aurora (Shirley MacLaine) e sua filha Emma (Debra Winger), apesar de se amarem, têm uma relação conflituosa. Tudo muda quando a filha descobre que está com câncer e, ao mesmo tempo, descobre que foi traída pelo marido, Flap (Jeff Daniels). Simultaneamente sua mãe, após anos de solidão, passa a se interessar por Garrett Breedlove (Jack Nicholson), um vizinho paquerador.



Batman (1989)


Sinopse: Em Gotham City o milionário Bruce Wayne (Michael Keaton), que quando jovem teve os pais assassinados por bandidos, resolve combater o crime como Batman, o Homem-Morcego. Mas chega o dia em que o vilão Coringa (Jack Nicholson) decide dominar a cidade e se torna um grande desafio para o super-herói.



Melhor é Impossível (1997)


Sinopse: Em Nova York um escritor grosseiro e sarcástico (Jack Nicholson) tem como alvos principais um artista gay (Greg Kinnear), seu vizinho, e uma garçonete (Helen Hunt) que o atende diariamente e se desdobra para cuidar do filho que tem asma crônica. O destino vai fazer com que eles fiquem muito mais próximos do que poderiam imaginar.



As Confissões de Schimidt (2002)


Sinopse: Warren Schmidt (Jack Nicholson) é um homem que 60 anos que precisa lidar com a recente aposentadoria e também com a morte repentina de sua esposa. Incerto sobre seu futuro e também sobre seu passado, ele parte em uma jornada rumo ao Nebraska para ajudar no casamento de sua filha Jeannie (Hope Davis) com Randall (Dermot Mulroney), um vendedor de camas d'água. Entretanto, cada novo passo que Warren dá parece ser sempre errado, fazendo com que ele acredite que o fim de sua vida será igual ao seu passado: um grande fracasso. Até que Warren decide dividir sua jornada com um inesperado amigo: um jovem garoto da Tanzânia o qual ele patrocina pagando 73 centavos por dia. Em suas longas cartas ao garoto Warren expõe sua história e passa a ver com outros olhos sua própria vida.



Tratamento de Choque (2003)


Sinopse: Dave Buznik (Adam Sandler) é um pacato empresário que é condenado por um crime e sentenciado a realizar um tratamento para controlar seu temperamento. O encarregado de realizar este tratamento é o Dr. Buddy Rydell (Jack Nicholson), um louco psiquiatra que tem seus próprios problemas de temperamento e parece ser o único capaz de tirar Buznik do sério.



Os Infiltrados (2006)


Sinopse: A polícia trava uma verdadeira guerra contra o crime organizado em Boston. Billy Costigan (Leonardo DiCaprio), um jovem policial, recebe a missão de se infiltrar na máfia, mais especificamente no grupo comandado por Frank Costello (Jack Nicholson). Aos poucos Billy conquista sua confiança, ao mesmo tempo em que Colin Sullivan (Matt Damon), um criminoso que foi infiltrado na polícia como informante de Costello, também ascende dentro da corporação. Tanto Billy quanto Colin sentem-se aflitos devido à vida dupla que levam, tendo a obrigação de sempre obter informações. Porém quando a máfia e a polícia descobrem que entre eles há um espião, a vida de ambos passa a correr perigo.



Antes de Partir (2008)


Sinopse: Carter Chambers (Morgan Freeman) é um homem casado, que há 46 anos trabalha como mecânico. Submetido a um tratamento experimental para combater o câncer, ele se sente mal no trabalho e com isso é internado em um hospital. Logo passa a ter como companheiro de quarto Edward Cole (Jack Nicholson), um rico empresário que é dono do próprio hospital. Edward deseja ter um quarto só para si mas, como sempre pregou que em seus hospitais todo quarto precisa ter dois leitos para que seja viável financeiramente, não pode ter seu desejo atendido pois isto afetaria a imagem de seus negócios. Edward também está com câncer e, após ser operado, descobre que tem poucos meses de vida. O mesmo acontece com Carter, que decide escrever a "lista da bota", algo que seu professor de filosofia na faculdade passou como trabalho muitas décadas atrás. A lista consiste em desejos que Carter deseja realizar antes de morrer. Ao tomar conhecimento dela Edward propõe que eles a realizem, o que faz com que ambos viagem pelo mundo para aproveitar seus últimos meses de vida.






Então é isso pessoal, espero que vocês tenham gostado do post! Até a próxima, beijosss :*

Instagram: @Estupefaca