[Destaques][carousel][6]

29 março 2017

"Escape Time" é um Prison Break da vida real que, nós do Estupefaça, não saímos vivos!

quarta-feira, março 29, 2017


Na última semana recebemos o convite para visitarmos uma casa de escape games e, além disso, poderíamos participar de uma rodada desse jogo de estratégia e suspense. No início fiquei um pouco receoso por não falarmos muito de jogos no blog mas, por fim, vi que Escape Time tem TUDO a ver com cultura pop e geek que sempre abordamos por aqui. Sendo assim, resolvi contar um pouquinho como tudo funciona por lá e como foi minha primeira vez tentando escapar de uma sala "prestes a explodir".

| Sobre o jogo!

Envolvendo diversão, desafio e raciocínio lógico, o jogo de fuga é uma experiência bem inovadora. Você e seus amigos (de 4 a 10 participantes) são “trancados” em uma sala interativa e trabalharão em equipe para escapar do ambiente. Usando apenas suas habilidades e as pistas encontradas para resolver o enigma, você tem que correr contra o relógio e escapar em uma hora. A empresa tem salas espalhadas por cinco capitais brasileiras (Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro, Goiânia e Brasília), e possuem temáticas variadas.


| Nossa experiência



A sala que jogamos foi a "Pânico no Expresso do Oriente". Um terrorista implantou uma bomba nesse trem que liga Londres a Istambul e nossa missão é escapar do vagão antes que tudo exploda (em uma hora). Como não tínhamos tanta experiência no jogo, não conseguimos escapar a tempo, mas descobrimos mais da metade das pistas. Não podemos dar muitos detalhes pois qualquer informação extra seria um spoiler e estragaria a experiência surpreendente de vocês. O que achei mais legal, além do cenário impecavelmente incrível, é como a sala é interativa e toda automatizada. Um objeto colocado no lugar certo e na hora certa, pode abrir portas que te levarão a novas pistas de como escapar vivo.  

Além disso, há pessoas que trabalham lá e ficam o tempo todo assistindo o que acontece dentro da sala pois, se precisar de ajuda, estarão lá com um walkie talkie nas mãos prontos para dar dicas ou sanar dúvidas.

Outro ponto positivo é que o jogo não utiliza de Jump Scares como forma de criar um suspense e um ambiente tenso. Essa técnica é muito usada em filmes que não conseguem atingir o clímax do suspense, e então optam por assustar os telespectadores com barulhos ou imagens aparecendo do nada na tela. O Escape Time já tem um roteiro bem construído e, dessa forma, consegue criar uma tensão natural sem precisar apelar para técnicas cinematográficas.


| Referências



Como não sou um gamer, não consegui pegar nem 10% das referências que tenho certeza que as salas possuem. Mas, mesmo assim, consegui fazer algumas analogias bem interessantes na minha cabeça (de leitor e cinéfilo). O seriado Prison Break, por exemplo, segue uma linha bem parecida com a temática da sala Alcatraz, a qual você precisa sair da prisão antes que seja morto na cadeira elétrica. Sala essa que, mesmo não jogando, tive a oportunidade de visitar e me surpreender com toda a cenografia (muito melhor que de muitos filmes por aí, juro!). Uma parte do cenário me lembrou muito o primeiro filme da franquia Jogos Mortais (2004), principalmente por ter corretes, azulejos sujos e um vaso sanitário bemmmmmm nojento. E ainda há a referência envolvendo a verdadeira "Alcatraz" e os diversos filmes/séries que ela inspirou, mas acho que isso não preciso nem comentar, né?

Ademais, conheci também uma sala que se inspira em hotéis dos anos 20 e mais uma vez me surpreendi com tamanho profissionalismo do cenário. Me lembrei muito da sexta temporada de American Horror Story, que tem um hotel um pouco mais sombrio. O papel de parede típico dessa época, possui uma tonalidade que me lembrou o clássico hotel Budapeste e também havia uma banheira, que logo me remeteu a vários filmes de terror ambientados em hotéis, dentre eles O Iluminado (1980) e Psicose (1960). Todas essas conexões faz com que a experiência seja ainda mais realística.

Por fim, a sala que joguei não me lembrava de outra coisa a não ser o livro "Assassinato no Expresso do Oriente". Escrito pela rainha do romance policial Agatha Christie, a obra nos conta a história do detetive Hercule Poirot que precisa procurar por pistas dentro do trem a fim de desvendar um assassinato. Eu estava me sentindo o Poirot, porém procurando pistas por motivações diferentes, mas a sensação foi a mesma!


| O veredito!

Foi uma experiência única! Com certeza gostaria de voltar mais vezes e poder jogar nas outras salas e, quando isso acontecer, vamos voltar e fazer uma review da nova experiência. As pessoas que foram comigo também amaram e já estão fazendo programas de levar outros amigos para jogar. O legal é que você pode fazer a reserva através do site deles e ainda conhecer melhor a história das outras salas. Vou deixar todas as informações aqui em baixo e, caso vocês joguem, volte aqui e nos conte como foi a experiência.



Fomos no Escape Time que fica em:

Rua Orange 92, São Pedro 30330-020 Belo Horizonte
 (31) 35662907/ 99543-0309

Mas, entrando no site, você consegue ver a localização dos outros polos espalhados pelo Brasil.


22 março 2017

Escolha sua próxima leitura, sem preconceitos, através do 'Tinder dos livros'

quarta-feira, março 22, 2017


Estava navegando pelo facebook até que um amigo compartilhou um site genial que todos os leitores vorazes irão amar. Fiquei tão empolgado com a inovação do site que, mesmo não sendo pago para isso, estou aqui indicando e divulgando para vocês. Tudo isso pois achei o Book4you um aplicativo bem útil para leitores que, como vocês, estão sempre em buscas de boas obras para ler.

Como já sabemos e também há pesquisas para comprovar, a capa de um determinado livro pode influenciar - e muito - o leitor na hora da compra. Mesmo não vendo grandes problemas nisso, percebo que muitos livros com incríveis histórias são desprezados apenas por ter uma capa "não chamativa". Pensando nisso, alguma alma abençoada resolveu desenvolver um site (que já tem um aplicativo para smartphones) para acabar com todo esse preconceito visual com os livros e fazer com que a história seja realmente o fator decisivo na hora de começar uma leitura.

Nota para quem não sabe o que é o Tinder:
Aplicativo de relacionamentos no qual você avalia a foto das pessoas com um coraçãozinho ou com um X (recusando). Caso você receba o "coraçãozinho" de volta, abre-se uma janela para que o casal possa conversar e se conhecer melhor. Não sei se minha definição foi boa o suficiente, então indico esse post com todos os detalhes.


O site Book 4 you, popularmente conhecido como Tinder dos livros, foi lançado em 2015 e nos mostra uma lista de sinopses para que julgamos - assim como no Tinder oficial - o que é bom e o que é ruim. Lembrando que no app de encontros você escolhe somente pela aparência, já no desenvolvido para leitores o conteúdo é o que importa.

O site conta com várias temáticas para que você entre na lista que aborda os gêneros que você mais agrade e facilite seu encontro com o livro perfeito. Por exemplo: livros que já viraram filmes, que falam sobre política, para ler em um dia ou com o namorado, e até mesmo a famosa categoria "é velho mas é bom". Não faz nem dois dias que descobri essa maravilha e já passei boas horas por lá! O problema é que minha wishlist (lista de livros desejados) não para de crescer e quero ver como arrumarei dinheiro para comprar todos esses livros. E você, já conhecia o site? O que achou?

20 março 2017

Crítica | "Punho de Ferro": o erro da Netflix e da Marvel

segunda-feira, março 20, 2017
Punho de Ferro não conseguiu achar o equilíbrio entre o realismo e o miticismo

Das quatro séries que iram dar vida aos Defensores, Punho de Ferro era de longe a menos conhecida. O protagonista vinha despertando uma grande ansiedade em todos os viciados na parceria entre Marvel e Netflix, mas falhou em algumas partes do roteiro. Era esperado um grande trabalho por parte dos produtores, assim como foi com Demolidor, um advogado cego que tem habilidades invejáveis, junto está Luck Cage e Jessica Jones ambos dotados de super-força, um cara que passou 15 anos dado como morto, na verdade foi achado por um grupo de monges e passou os últimos anos treinando artes marciais e junto disso adquiriu um punho super poderoso. 

Entretanto, para a surpresa dos fãs, foi exatamente neste personagem que houve um grande tropeço. Danny Rand (Finn Jones) após um acidente de avião, que supostamente perde seus pais, é dado como morto. Durante 15 anos ele fica sendo treinado por monges, aonde adquiri a habilidade de se tornar o Punho de Ferro. Danny resolve voltar para casa com o pensamento que todo mundo iria lembrar-se dele, sem ao menos questionar sua identidade, neste momento ele se vê cercado por dúvidas, alguns acreditam que ele seja o menino rico que retorna dos mortos, o que os leva a querer tira-ló do caminho com medo de perder o controle da empresa.  

O roteiro não parece achar um equilíbrio entre o realismo e o miticismo, o que é necessário quando o assunto é dar vida ao personagem, deixando transparecer somente o punho iluminado e as habilidades de Danny, o resto parece ser a vida cotidiana de um menino rico de Nova York. Houve pequenos erros que não são normais em séries da Netflix, o que ajudou na má repercussão da série.


Junto de Danny Rand, conhecemos Colleen Wing (Jessica Henwick), uma especialista em artes marciais que acaba se tornando amiga de Rand em sua volta. Os produtores souberam muito bem encaixar Wing na vida de Danny, sem contar a sua alta habilidade com uma espada. Joy e Ward Meachum (Jessica Stroup e Tom Pelphrey) são os amigos de infância de Danny e também herdeiros da companhia Rand, no mesmo elenco encontramos o enigmático Harold Meachum (David Wenham), estabelecendo um elo nas séries da Marvel, também vemos Claire Temple (Rosario Dawson) a charmosa enfermeira que encontramos pela primeira vez em Demolidor.


Punho de Ferro (Primeira Temporada / 2017)
Iron Fist (título original)

Diretor: Scott Buck

Roteirista: John Dahl, Tom Shankland, Kevin Tancharoen... (Cada episódio conta com um diretor diferente)

Atores:
Finn Jones
Jessica Henwick
Tom Pelphrey
Jessica Stroup
David Wenham
Rosario Dawson...



Sabemos que por trás de um bom herói sempre há um vilão, esse foi um dos principais pontos que não ficou claro na série. Danny deixa claro desde o início que voltou para acabar com o Tentáculo, por trás dessa facção há uma senhora chamada Madame Gao, que também aparece em Demolidor, a senhora aparece como principal inimiga do Punho de Ferro, fazendo referências ao Pai de Danny, o que o deixa ainda mais confuso. 

A série é repleta de referências ás outras séries da Netflix, conjunto que dará vida aos Defensores. De todos os problemas encontrados em Punho de Ferro, Finn Jones não é um deles. O ator desenvolveu muito bem o seu papel, desde as cenas mais divertidas até ás cenas de ação. Porém, falta química entre ele e Wing, separadamente eles convencem muito em seus papéis, mas juntos falta algo. 


Punho de Ferro não decepciona completamente, porém nos deixa claro que pela história que o personagem carrega, poderia ter sido produzida de uma forma melhor. As viagens ao passado para explicar a origem de Danny foram bem elaboradas, mas se estendem por toda a temporada, a ponto de serem enjoativas. Uma pena que Punho de Ferro não tenha alcançado todas as expectativas, ao ponto de sofrer duras críticas da imprensa norte-americana. De fato esperamos que o desempenho do Punho de Ferro em Defensores seja melhor do que em sua série, esperamos que a Marvel junto da Netflix acertem igual fizeram com Demolidor e Jessica Jones. 

18 março 2017

Lista | Cinco filmes incríveis, no catálogo da Netflix, para quem gosta de Direito

sábado, março 18, 2017
Eaii galera, tudo bem com vocês? O fim de semana finalmente chegou ~paranossaalegria. Bom, para mim não muda tantaa coisa assim porque estou com milhares de coisas da faculdade pra fazer. Porém, como sou uma ótima pessoa e penso sempre nos meus lindos leitores do Estupefaça, trouxe uma Movie List bem especial. Não sei se vocês sabem, mas sou acadêmica do melhor curso ever de Direito, e como apaixonada que sou pela área, não há como não amar esses filmes. Mesmo para quem não se interessa tanto assim pela área, eu posso afirmar: vocês irão gostar da mesma forma, vejam e venham aqui me contar. É praticamente impossível não gostar desses filmes, eles vão te fazer criar teorias que você tem a absoluta certeza que estão corretas, e no final vão te surpreender completamente. Enfim, deem uma chance e venham me falar o que acharam!!!


| O sol é para todos (1962)











Sinopse: Jean Louise Finch (Mary Badham) recorda que em 1932, quando tinha seis anos, Macomb, no Alabama, já era um lugarejo velho. Nesta época Tom Robinson (Brock Peters), um jovem negro, foi acusado de estuprar Mayella Violet Ewell (Collin Wilcox Paxton), uma jovem branca. Seu pai, Atticus Finch (Gregory Peck), um advogado extremamente íntegro, concordou em defendê-lo e, apesar de boa parte da cidade ser contra sua posição, ele decidiu ir adiante e fazer de tudo para absolver o réu.

Esse é um clássico do Direito baseado no livro 'O sol é Para Todos' de Harper Lee. O filme elucida que nem sempre as coisas são como parecem, os fatos podem ter sido distorcidos. Tem como ponto chave o preconceito, um mal que infelizmente criou raízes por todo o mundo. Vale muito a pena acrescentá-lo ao seu acervo ;)



| A informante (2010)











Sinopse: Kathy (Rachel Weisz) é uma policial norte-americana que aceitou o trabalho de defensora da paz no período pós-guerra da Bósnia. Com o objetivo de ajudar a reconstruir o país, Kathy fica devastada ao descobrir a perigosa realidade de corrupção, encobrimento de fatos, conspiração de empresas privadas e multinacionais com diplomacias de duplo sentido.

Baseado em fatos reais, é um filme bem forte, que mostra a realidade de países em conflito.Confesso pra vocês que fiquei querendo ajudar a Kathy ao longo de todo o filme. Se houvessem mais pessoas como ela no mundo, não estaríamos vivendo esse caos atual. Enfim, é um suspense excelente e muito emocionante! 
Confira o trailer aqui.



| O segredo dos seus olhos (2009)


Sinopse: Benjamin Esposito (Ricardo Darín) se aposentou recentemente do cargo de oficial de justiça de um tribunal penal. Com bastante tempo livre, ele agora se dedica a escrever um livro. Benjamin usa sua experiência para contar uma história trágica, a qual foi testemunha em 1974. Na época o Departamento de Justiça onde trabalhava foi designado para investigar o estupro e consequente assassinato de uma bela jovem. É desta forma que Benjamin conhece Ricardo Morales (Pablo Rago), marido da falecida, a quem promete ajudar a encontrar o culpado. Para tanto ele conta com a ajuda de Pablo Sandoval (Guillermo Francella), seu grande amigo, e com Irene Menéndez Hastings (Soledad Villamil), sua chefe imediata, por quem nutre uma paixão secreta.

O Segredo dos Seus Olhos é um filme Argentino que poucos brasileiros conhecem, mas posso garantir que é estupendo! Com um final épico e muito surpreendente, vocês irão literalmente "pirar". Não posso falar muito senão dou spoiler haha.

Confira o trailer aqui.



| As duas faces de um crime (1996)


Sinopse: Em Chicago, um arcebispo (Stanley Anderson) é assassinado com 78 facadas. O crime choca a opinião pública e tudo indica que o assassino é um jovem de 19 anos (Edward Norton), que foi preso com as roupas cobertas de sangue da vítima. No entanto, um ex-promotor (Richard Gere) que se tornou um advogado bem-sucedido se propõe a defendê-lo, sem cobrar honorários, tendo um motivo para isto: ele adora ser coberto pela mídia, além de ter uma incrível necessidade de vencer.

Gente, o que é esse filme? Me diz! Eu precisei de uns 2 dias pra superar o final. O que eu posso falar pra vocês é que ele é totalmente insano, e que o Richard Gere arrasa muitooo, atuação completamente impecável. É o meu favorito da lista!!!



| Seven: Os sete crimes capitais (1995)


Sinopse: Dois policiais, um jovem e impetuoso, David Mills (Brad Pitt), e o outro maduro e prestes a se aposentar, William Somerset (Morgan Freeman), são encarregados de uma perigosa investigação: encontrar um serial killer que mata pessoas seguindo a ordem dos sete pecados capitais.

Pensa em um filme com Morgan Freeman e Brad Pitt, só pode ser incrível não é minha gente? Esse é outro clássico surpreendente que te prende do início ao fim. É difícil escolher qual a melhor cena, pois são váriass!

Confira o trailer aqui.

Espero que vocês tenham gostado das indicações. Se já viram algum dos filmes acima me digam o que acharam, e se ainda não viram, aproveitem o fim de semana, peguem uma pipoca, o edredom, e apreciem sem moderação! Beijosss :*

15 março 2017

"Capão Pecado": favela sem demagogia e a importância da literatura marginal

quarta-feira, março 15, 2017

Muitos de vocês com certeza já ouviram falar do bairro Capão Redondo; localizada em São Paulo, a grande favela com tons cinzas habita uma população carente, mas que tem muito o que contar. O autor paulista Ferréz, com uma linguagem bastante coloquial, reúne algumas dessas histórias e nos presenteia com "Capão Pecado". Publicado pela primeira vez no ano 2000, o livro ambientado nessa famosa favela transmite ao leitor muito mais que apenas a violência constantemente noticiada pela mídia. 

Durante a leitura, não é possível identificar um protagonista específico para a obra. Indo além, diria ainda que a grande protagonista da trama é a favela. Recheado com histórias de um grande grupo de amigos, "Capão Pecado" passeia por vários temas importantes e corriqueiros na realidade local, como a traição, drogas, marginalização e até mesmo como a polícia age na periferia.

Uma das poucas coisas que me incomodaram durante a leitura foi a falta de apresentação - ou até mesmo aprofundamento - dos personagens. Talvez pelo fato do livro ter poucas páginas (aproximadamente 150 páginas de enredo) e ainda contar com um grande número de personagens, fez com que eu não tivesse grande identificação com nenhum deles. Mas claro, como de costume, alguns eu gostei mais que outros e por isso senti falta de conhecê-los melhor.

Apesar disso, o que mais me impressionou foi pelo fato do livro, mesmo sido escrito há quase duas décadas, ainda ser muito atual. Apoiado em um discurso bem realista do cotidiano periférico, Ferréz traz vários questionamentos que são comuns entre a população mais carente. Tudo isso sem parecer ser tendencioso, ele está apenas transpassando um sentimento de quem cresceu e amadureceu naquela realidade.


... pensou no que seria o céu... Haveria periferia lá? E Deus? Seria da mansão dos patrões ou viveria na senzala?... o céu que mostram é elitizado, o Deus onipotente e cruel que eles escondem matou milhões; tá na bíblia, tá lá, pensava Rael, mas apresentam Jesus como sendo um cara loiro... Rael chegou à conclusão mais óbvia:... aqui é o inferno de algum outro lugar e desde o quilombo a gente paga, nada mudou. (página 62)

Em suma, Capão Pecado é uma obra para aqueles que querem uma leitura rápida e prática, realista e emocionante, sincera, verdadeira. Uma leitura para aqueles que ainda não tiveram a oportunidade de acesso ao discurso acadêmico e procuram uma identificação na literatura. E, além disso, por mais impressionante que seja, o livro atende também a população com uma boa condição socioeconômica, mostrando - sem demagogia - como seus irmãos vivem do outro lado, lá no "fundo do mundo".


Instagram: @Estupefaca